Braquicéfalo, conhece o termo? Até pode ser que não, mas com certeza já viu ou tem um cão com estas características. Este termo vem do grego braqui" (brakhys) que significa "curto" e "céfalo" (képhalos) que significa "cabeça". São mais comummente chamados de cães de focinho achatado.

Animais com esta conformação anatómica tem propensão para ter diversos problemas que vamos aqui explicar. Continue a ler para saber como ajudar o seu animal e os cuidados que deve manter com o mesmo.

 

Síndrome braquicefálico

Raças braquicefálicas são vagamente afetadas pela síndrome respiratória braquicefálica. A maioria dos cães não sofre de todos os aspectos desta síndrome, mas deve ficar consciente sobre todos, pois o seu animal pode possuir algum deles. Para saber e perceber qual destas alterações o seu patudo pode sofrer, marque uma visita com o seu médico veterinário.

Estenose das narinas – é o estreitamento do tamanho das narinas. Pode ser corrigido cirurgicamente.

Turbinas nasofaríngeas irregulares – estas estruturas são cobertas por tecido e ajudam a humidificar e aquecer o ar inalado. Quando se estendem alem do nariz e da faringe, causam quantidades variáveis de obstrução do fluo de ar.

Hipoplasia traqueal – quando o diâmetro da traqueia é menor do que o normal causando problemas respiratórios.

Palato mole alongado – o palato mole separa a passagem nasal da cavidade oral. Como estas raças tem cabeça curta nem todos os tecidos moles cabem corretamente na boca e gargante. Entao esta palato mole fica alongado e pendurado até a garganta, criando sons de ronco.

Colapso laríngeo – quando a cartilagem laríngea está constantemente sobre alterações anormais causadas pelas outras anomalias pode eventualmente não conseguir voltar a sua forma normal e causa um estreitamente severo nas vias aéreas causando ainda mais dificuldades respiratórias.

Hipertermia (golpes de calor) – como as vias aéreas destes animais são anómalas, a sua respiração muitas vezes é insuficiente para diminuir a temperatura corporal. São então animais mais propensos a golpes de calor/hipertermia.

Além dos problemas respiratórios (que mais podem comprometer a saúde e vida do seu animal) temos também outros problemas associados a estas raças.

Problemas oculares são causados, novamente, pela má formação craniana o que faz que muitas vezes os olhos fiquem mais proeminentes. Esta anomalia faz com que o olho fique mais exposto, logo mais seco, podendo ocorrer ulcerações. Em casos graves podem ser mesmo incapazes de fechar totalmente os olhos e fazer assim uma correta lubrificação. Esteja atento quando o seu amigo pisca os olhos ou dorme.

Problemas de pele associado ao facto de muitas vezes serem animais com muitas pregas de pele. Se estas não forem devidamente higienizadas podem originar infeção local.

Algumas raças, devido ao cruzamento seletivo extremo de algumas características podem também apresentar problemas de ossos (desproporcionais, ou seja, com alterações anatómicas graves), e problemas no parto (muitas vezes causadas pelos anteriormente referidos problemas de osso, que fazem com que o feto seja maior que a pélvis da femea, sendo necessário uma cesariana).

cães braquiocefálicos

Quais as raças associados a cães braquicefálicos

Algumas raças braquicefálicas são: Pug, Shih tzu, Buldogue francês e ingles, pequinois, boxer, entre outros.

 

Sintomas do síndrome braquicefálico

  • Dificuldade em respirar
  • Respiração ruidosa
  • Dificuldades em realizar trocas de calor
  • Problemas oculares
  • Posicionamento incorreto dos dentes
  • Intolerancia ao exercício
  • Engasgos
  • Tosse
  • Espirro reverso
  • Aerofagia (deglutição de ar)

 

Cuidados a ter com cães braquicefálicos

  • Durante o calor evite ao máximo que o seu animal esteja sujeito a altas temperaturas (praia, piscinas) pois ele tem pouca capacidade de baixar a sua temperatura corporal. Caso não tenha alternativa, proporcione zonas mais frescas, bastante água (até com pedras de gelo) e preste muita atenção ao seu patudo, qualquer sinal anormal deve ser levado com seriedade. 
  • Exercício: ou stress extremo podem causar ainda mais dificuldades respiratórias. São situações que aumentam a temperatura corporal, e requerem um maior esforço respiratório, portanto é desaconselhado exercício intenso ou stress extremo. Se o seu animal mostra sinais de fadiga e quer descansar, deixe-o repousar.
  • Passeio a horas de menor calor, manha e noite, e não por muito tempo. Se nota que o seu patudo esta a ficar cansado, volte para casa.
  • Uso de peitoral pois diminui a pressão na zona da garganta (que por si só já é um local anatomicamente alterado nestas raças).
  • Tosquia de cães braquicéfalos de pelo comprido ajuda a diminuir a temperatura corporal.
  • Cuidado com os olhos do seu amigo. Preste atenção se estão bem lubrificados.
  • Gravidez e principalmente parto devem ser bem acompanhadas nestas raças. A desproporção entre o tamanho dos bebes e da pélvis da mãe pode ser motivo para uma cesariana.
  • Pregas de pele limpas com frequência, com um champo ou toalhitas apropriadas para o efeito e devidamente secas.
  • Obessidade e cães braquicéfalos não combinam. O sobrepeso favorece o aumento da temperatura corporal, dificuldades em se mover além de maior esforço para o fazer, piorando assim todos os problemas respiratórios existente.
  • Viagens devem ser feitas a horas mais amenas. Se viajar de avião leve-o na cabine ao seu lado e não no porão.
  • Visitas frequentes ao veterinário. São animais que devem ser acompanhados de perto, para controlo de peso e de alguma alteração anatómica mais grave.
  • Respiração ofegante mais do que o normal, língua de fora, inquietação ou letargia são exemplos de sinais que temos de estar atentos. Se algum destes estiver presente, contacte imediatamente o seu médico veterinário.

 

Restrições de viajar com cães braquiocefálicos

Qualquer viagem de carro, autocarro ou comboio devem ser feitas em horários de menor calor e se possível com paragens frequentes para beber água e fazer as suas necessidades. Porém, além do calor também é necessário ter atenção ao frio, pois o ar frio provoca vasoconstrição. Ou seja, os vasos sanguíneos diminuem de diâmetro o que dificulta a chegada de oxigénio aos pulmões, o que pode provocar desmaios e até paragens respiratórias e cardíacas. Por estas razoes as viagens de avião para este tipo de raça são, em algumas companhias aéreas, proibidas.

Quando o avião está em voo a temperatura do porão pode baixar para níveis que o seu patudo não aguente. Na partida, chegada ou escala, a temperatura do aeroporto pode ser elevada demais, causando os mesmos problemas respiratórios. Todos estes possíveis cenários aliados ao stress que a própria viagem provoca no seu animal (novo ambiente, sons demasiado altos, estar sozinho) fazem com que seja perigoso andar de avião.

No entanto, é possível comprar bilhete para o seu animal na cabina do passageiro, indo perto de si e com a sua vigilância. Para mais informações contacte a companhia área de sua preferência.

Como notou, estes cães tao fofos e simpáticos podem acarretar cuidados extra, e atenção redobrada em diversas situações. Caso tenha ficado com duvidas ou queira um check-up ao seu patudo de focinho achatado para saber se está tudo bem, não hesite em nos contactar. Iremos até sua casa, diminuindo assim o stress que o seu amigo terá e o seu também.